Guias

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Purê de Mandioquinha com Frango

   Purê de Mandioquinha com Frango e Requeijão: um prato fácil de fazer durante a semana, tanto para o almoço quanto para o jantar. Apenas uma salada para acompanhar e uma refeição leve está pronta.


   Refiz o post da primeira receita que postei alguns anos atrás e também atualizei as medidas, porque estavam meio imprecisas. Preferi montar o purê desta vez em porções individuais, mas até então sempre fazia numa travessa grande.


   O purê fica bem leve e nem levou creme de leite, apenas a mandioquinha, leite, parmesão ralado, manteiga e uma batata. Acrescentei a batata para que o purê não ficasse tão liguento, já que a mandioquinha é bem rica em amido. Outra coisa que fiz foi passar a mandioquinha cozida duas vezes pelo espremedor, para formar uma mistura bem lisinha e sem pedacinhos.


    Para fazer o refogado de frango que vai em cima do purê, basta dourar os pedacinhos de peito no azeite, fazer um refogado com cebola e alho e cozinhar os dois juntos e ainda cobertos por água, extrato de tomates e temperos, como páprica doce e cheiro-verde. Que tal fazer este prato para esta segunda-feira?

sábado, 19 de julho de 2014

Coxa com Sobrecoxa Desossada e Risotto de Risoni

   Adoro frango assado, mas tenho que admitir que é bem constrangedor comer um pedaço que tenha osso em público. Só que também não tem nada mais sem graça do que peito de frango assado, mais seco do que já é e com gosto de papel. Que tal então apenas as coxas com a sobrecoxa sem os ossos assadas?


   Aprendi essa receita na faculdade, uma coxa com sobrecoxa desossada, grelhada, depois assada e coberta por um molho à base de vinho branco e suco de limão. Desosso o frango em casa, mas por dar um pouco de trabalho, indico que você compre os pedaços já desossadas no supermercado. A vantagem de fazer um corte desses é que as carnes que contém ossos são mais saborosas e mais úmidas, com gosto de frango mesmo, inclusive tem uma coloração mais forte do que a do peito.


   E para acompanhar o frango, um risotto da Nigella. Fazer risotto em casa é um trabalho para aqueles que realmente se interessam pelo assunto, porque não é todo munto que tem paciência para ficar mexendo o arroz arborio até que ele cozinhe. Também não é todo mundo que gosta da textura mais empapada e al dente que ele confere ao prato por isso, a minha dica é um Risotto de Risoni


   O risoni é uma massa em formato de grão de arroz normalmente usada em saladas e sopas, mas que também fica muito boa se preparada como um risotto. E a vantagem de usá-lo é que todo aquele trabalho de ficar mexendo é dispensado, basta cozinhar a massa na água fervente até que fique macia. 


   O risotto leva também ervilhas frescas, presunto picado, queijo parmesão e uns cubinhos de bacon frito, mas dá para incrementar com outros ingredientes, eu mesma acrescentei à receita da Nigella o presunto e deixei o bacon entrar só na decoração.


sexta-feira, 18 de julho de 2014

Pão de Batata Doce

   Repost: aproveitando as férias para refazer receitas! Este Pão de Batata Doce já estava no blog, mas pelo amor de Deus, as fotos não estavam nem um pouco apetitosas. O jeito então, para que ficassem melhores, era refazer o post, aproveitando os resquícios das Festas Juninas que ainda restam neste mês de julho. 


    Já fazia um tempo que minha mãe vinha falando de fazer o tal do Pão de Batata Doce, só que não existia ainda uma receita anotada, nem em cadernos da família e nem em livros ou revistas. Por isso, tiramos a receita da nossa cabeça e a coloquei aqui no blog para vocês.


   A massa fica bem fofinha, cresce bem, principalmente se você começar a fazer o pão logo cedo e deixar que ele cresça à vontade e o quanto quiser, até vale deixar vazar da tigela! Dar uns murros nele enquanto cresce também confere mais maciez e umidade, basta deixar que dobre de volume e em seguida é só fazer com que volte ao volume inicial. Repetir umas três vezes este processo já é mais do que suficiente.



   Desta última vez comecei a fazer o pão após o almoço. O dia estava meio frio, aliás, foi no dia do trágico jogo 7x1, mas mesmo assim consegui ter o pão pronto antes mesmo do final do primeiro tempo. Ficou pronto muito rápido, só não mais rápido do que os 5 primeiros gols da Alemanha, mas pelo clima que fazia foi um dos pães mais rápidos que já fiz.



   E mesmo sem dar os murros entre os crescimentos, o pão ficou tão macio que quebrou todo quando fui tirar da forma (deve dar para perceber nas fotos). Preferi fazer um pão simples, apenas salpicado de açúcar cristal, mas com recheios fica ainda melhor!

terça-feira, 15 de julho de 2014

Tortinhas de Abacaxi com Iogurte e Granola

   Tem dias que é melhor optar por uma sobremesa mais leve, mesmo sendo final de semana. Fiz alguns dias atrás um almoço mais pesado no domingo (receitas do post anterior), com pratos alemães, e por isso preparei algumas Tortinhas de Abacaxi com Iogurte e Granola para a sobremesa.


   Mais uma vez vi a receita no blog Prato Fundo, a Torta de Iogurte com Frutas e Calda de Maracujá, mas fiz adaptações para criar a minha versão de Tortinhas com Iogurte e Abacaxi em Cubos, dentro de uma massinha feita com granola, a única parte da receita do Vitor Hugo que não foi alterada.


   Como meu tempo era curto, apenas misturei iogurte grego de baunilha com um pouco de mel e de gelatina incolor para fazer o recheio das tortas. Deixei na geladeira enquanto preparei a massinha rápida feita com granola pronta moída, mel e manteiga.


   Escolhi o abacaxi porque era a única fruta decente que tinha na fruteira, mas ele estava meio azedo. Cortei ele em cubinhos e espalhei sobre o iogurte. Não cozinhei ele com açúcar e água e nem fiz outra calda com outras frutas para jogar por cima das tortinhas, como na receita original. Preferi simplicidade e facilidade de preparo.


   Receita para aqueles dias que não queremos dispensar uma sobremesa, mas que também não podemos exagerar nas calorias. E além disso, que vai impressionar todos os seus convidados pela apresentação e pelo sabor!

domingo, 13 de julho de 2014

Goulash und Spätzle

   A Alemanha está na final do Mundial, isso todo mundo já sabe, mas e fazer alguma receita típica do país, será que tem alguém aí que sabe? Este post vem com dois pratos típicos dos países do Leste Europeu, principalmente Hungria e Alemanha, o Goulash com Spätzle!


   O Goulash é um guisado de carne, que pode ser de vaca, porco ou frango, dourada na gordura e depois cozida com bastantes especiarias, entre elas páprica e cominho. Como dá para imaginar, trata-se de um prato bem aromático e forte e por isso é normalmente consumido durante o inverno na Europa.


  O Spätzle lembra bastante um macarrão, mas tanto os ingredientes quanto o preparo da massa é um pouco diferente do que as pastas italianas. Ele leva farinha, ovos, leite, sal e fica numa consistência bem mole. Para modelar e cozinhar o Spätzle, basta colocar a massa dentro de um saco de confeiteiro ou qualquer outro tipo de saquinho plástico e ir pingando formatos diferentes dentro de água fervente. Basta esperar que subam à superfície da panela para já retirá-los.


   Normalmente o Goulash é servido sobre o Spätzle, com uma boa porção de seu molho aromático. Para que a massa não fique sem graça servida apenas cozida, vale passá-la na manteiga. Gostei demais do resultado do prato num geral, uma combinação super diferente e com muito gostinho de comida caseira!


   Só o Goulash com o Spätzle já fariam uma refeição completa, mas por que não uma saladinha de repolho temperada com bastante vinagre lembrando o tradicional Sauerkraut ou como dizem aqui no Brasil, o Chucrute, para acompanhar?

sábado, 12 de julho de 2014

Pão de Leite com Chocolate e Coco

   Uma das coisas que mais gosto de fazer na cozinha é pão. Acho incrível como simples ingredientes podem se transformar em algo tão complexo, aromático e especial.


   Para mim, sábado é dia de fazer pão. Quase toda a semana que estou em casa no sábado de tarde rola um pãozinho caseiro, seja um doce para comer no café da tarde, um salgado para comer a noite ou qualquer um dos dois para tomar no café da manhã do domingo.


   Minha última aventura foi fazer um Pão de Leite com Chocolate e Coco. Já tinha na geladeira um creme de coco pronto que tinha sobrado de um bolo e por isso fiz o pão para não perdê-lo. Quanto ao chocolate, apenas derreti um pouco do meio amargo, misturei um pouco de creme de leite e mel e coloquei junto com o creme de coco.


    A receita da massa do pão veio de uma revista bem antiga que achei de última hora aqui em casa. Ela me pareceu boa, apenas mudei alguma coisinha ou outra. E ficou gostosa, bem fofinha e úmida, mesmo fazendo o pão sem recheio, apenas salpicado com um pouquinho de açúcar cristal...


   Rendeu esta trança grande mais outro pão um pouco menor e uma mini trança, que não recheei, e olha que eu fiz apenas meia receita!


sexta-feira, 11 de julho de 2014

Bolo de Chocolate com Brigadeiro de Ovomaltine

   Não fazia nem brigadeiro e nem bolo de chocolate há meses, tanto que meu cacau em pó acabou em abril e até então não tinha comprado outro pacote para repor. Mas bateu aquela dúvida em ralação a que bolo fazer para o final de semana e um de chocolate me pareceu a melhor ideia, principalmente porque pensei em Bolo de Chocolate com Brigadeiro de Ovomaltine.


   Muitos blogs andam publicando o brigadeiro de Ovomaltine e por isso quis fazer a minha versão, que é basicamente um brigadeiro feito como de costume, com leite condensado, cacau em pó e manteiga e cozido lentamente, em fogo baixo. Como ia usar no recheio do meu bolo, preferi deixar que o brigadeiro atingisse ponto de enrolar, porque também queria quebrar um pouco do doce com creme de leite de latinha. O Ovomaltine só entrou no final da história, quando o brigadeiro já tinha esfriado um pouco, para que ficasse bem crocante. 


    Outro dia me mandaram no Facebook uma ideia bem diferente para rechear bolos de cone central. Já que queria ver se dava certo, assei meu bolo de chocolate numa forma de buraco no meio. A montagem deu certo, mas acho que escolhi um recheio muito mole, teria que ser um creme mais consistente, porque a massa do bolo acabou absorvendo um pouco do brigadeiro. De qualquer forma, achei legal, já que agora bolos deste tipo que geralmente são bem altos e às vezes acabam ficando meio sem graça, podem ter uma surpresinha em cada fatia.


   Para o bolo ficar mais bonito,  fiz uma calda para cobri-lo com leite, cacau em pó, açúcar e amido de milho, bem neutra porque o recheio já era bem doce. Poderia também ter apenas salpicado um açúcar de confeiteiro ou cacau em pó.


   Também poderia ter colocado alguns morangos ou outras frutas picadas no meio do recheio, talvez desta forma o bolo não teria absorvido tanto o brigadeiro! Qualquer dia testo a ideia de novo, mas desta vez usando um creme mais consistente...


quinta-feira, 10 de julho de 2014

Carré de Cordeiro e Lentilhas com Alho-poró, Cenoura e Bacon

   Por causa daquela greve dos metroviários de São Paulo no início do mês passado, acabei perdendo a minha última aula de cozinha na faculdade. Neste dia teve Carré de Cordeiro em Crosta de Ervas acompanhado por Lentilhas com Alho-poró e Cenoura e também Polpettone ao Molho de Tomates.


   O Polpettone eu sempre faço aqui em casa e já postei receitas parecidas com a da faculdade inúmeras vezes aqui e aqui no blog, por isso não vou postar de novo, mas mesmo assim a fiz em outro jantar para ver como ficava. Já o cordeiro, fiquei chateada por não ter feito e experimentado em aula. Adoro carne de cordeiro por ser bem leve e ter pouquíssima gordura, mas infelizmente aqui no Brasil é ainda um produto bem caro, por não fazer parte de nossos hábitos alimentares.


   Para quem não sabe porque eu também não sabia, o carré é o corte mais nobre do cordeiro, e acho bom lembrar que ele é o filhote do carneiro com até 6 meses de idade, depois disso, entre 6 e 11 meses, recebe o nome de borrego. O animal adulto, portanto, é o carneiro ou o "marido" da ovelha. O carré ou também conhecido como french rack (corte francês) é retirado entre a 6ª e a 13ª costela do lombo e indicado para churrascos e grelhados por sua maciez e suculência, sendo mais saboroso se servido mal passado.


   O certo seria cortá-lo entre cada osso, mas como a porção ficaria muito pequena, preferi fazer cortes que reuniam três ossos. Ao invés de seguir à risca a receita da Anhembi, criei a minha, já que não tinha as ervas para fazer a tal da crosta. Tendo como lembrança um cordeiro que comi em Portugal com alho e vinho, dourei o carré temperado com alho picado, sal, pimenta, vinho tinto e passado na farinha de trigo, no azeite e depois levei ao forno para terminar o cozimento. Na panela de fritura, fiz um molho com a marinada para cobrir.


   Também fiz algumas mudanças na receita das lentilhas. Acrescentei alho picado e bacon em cubinhos na minha versão e como sobrou a gordura de fritura do bacon na panela, fiz com ela mesma o refogado ao invés de azeite, que ainda levou o alho poró em fatias e a cenoura em cubinhos.


quarta-feira, 9 de julho de 2014

Rosquinhas de Leite Condensado com Coco e Chocolate Quente Cremoso

   Noites de folga, frias e em casa são um perigo. Bom, pelo menos para quem gosta de cozinhar e curte tomar um chocolate quente cremoso para se aquecer... E que também curte umas rosquinhas de leite condensado...


   Estas rosquinhas vieram de última hora e por isso saíram meio no improviso. Tenho esta receita anotada no meu caderno desde que comecei com esta história de gostar de cozinhar, quando ainda tinha lá meus 12 anos de idade. E me lembro direitinho do dia que a encontrei, no site da Palmirinha, mas ela acabou ficando lá, anotada no no meu caderno de receitas durante esses cinco anos.


   Já tinha planejado fazer um chocolate quente pois a frente fria havia finalmente chegado, só que também queria comer algo que pudesse ser mergulhado na bebida quente e cremosa. Pensei em Churros, Donuts ou Bolinhos de Chuva, mas não queria fazer frituras naquela noite. 


   O jeito foi testar a receita das rosquinhas, que não ficaram muito crescidas ou macias, mas com textura de biscoito. Estava procurando, na realidade, rosquinhas fofinhas que ficassem tipo um pãozinho. Não sei se era o meu fermento que não estava bom ou se deixei a massa crescer por pouco tempo. De qualquer forma, ficaram boas, principalmente depois que as passei numa calda de leite condensado e no coco ralado com leite em pó.
 

   Algumas rosquinhas, uma xícara de chocolate quente cremoso e a combinação perfeita para um final de tarde, início do dia ou para se aquecer está pronta!


domingo, 6 de julho de 2014

Crêpes com Creme de Speculoos

   O que mais gosto de viagens é poder conhecer comidas típicas diferentes. Mesmo sem ter uma viagem marcada, estou sempre em busca de gordices de lugares Brasil a fora, como aconteceu no caso dos Speculoos, o biscoitinho belga condimentado e das Crêpes, um clássico das ruas parisienses.


   Speculoos são biscoitos feitos com açúcar mascavo, farinha, manteiga, fermento em pó e especiarias, como canela, cravo, gengibre, noz-moscada e cardamomo. Normalmente eles eram consumidos durante a época do Natal, decorados com ilustrações na superfície, na Holanda, Bélgica e Alemanha, tendo cada país a sua própria versão. Mas acontece que um dia alguém resolveu começar a comercializá-los embalados individualmente, para comer junto com a xícara de café e por isso passaram a ser vendidos durante o ano inteiro.


   O fato é, descobri a existência dos Speculoos e experimentei alguns anos atrás numa viagem. Gostei tanto que no início desse ano eu fiz questão de comprar um pacote para trazer para casa e junto com ele acabei descobrindo outra delícia, o Creme de Speculoos. A história deste creme é mais recente, data de 2008, quando competidores de um programa belga chamado "The Inventors" criaram o creme que virou febre na Bélgica, sendo muito disputado entre grandes empresas que já comercializavam os biscoitos. 


   Lembrei hoje de manhã que as duas delícias estavam na despensa e resolvi fazer algumas Crêpes para comer com eles antes que vencessem. Segui uma receita da revista Cuisine Actuelle, também comprada nesta última viagem de janeiro em Paris. A massa das Crêpes fica bem gostosa, é bem simples de fazer e dá para comer com recheios doces e salgados, pois fica bem neutra. 


   Já estou procurando tanto a receita dos Speculoos quanto do creme para vocês também fazerem e experimentarem, mas enquanto ela ainda não existe, por que não rechear suas Crêpes com outros recheios ou doce de leite misturado com especiarias e um pouco de creme de leite para quebrar o doce?