Guias

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Montmartre

   Domingos em Paris podem ser sem graça, principalmente no inverno. Nenhuma loja abre, poucas padarias e restaurantes funcionam e mesmo os supermercados fecham. Por isso, para o domingo passado, planejei uma visita ao bairro do Montmartre, onde está localizada a basílica do Sacré-Coeur.


terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Circuito de Lojas de Utensílios de Gastronomia

   Neste post venho com um circuito bem legal de lojas de artigos e utensílios de cozinha no Les Halles. Indico que você desça na própria estação Les Halles para aproveitar também as lojas do Forum Les Halles, um shopping que fica dentro da estação e que tem lojas de diversas marcas conhecidas, como Bershka, Naf Naf, Aldo, L'Occitaine, Sephora, H&M, Fnac, Etam, Zara, só para citar algumas. E também a Maisons du Monde que também vende bons artigos de deçoração para a cozinha e onde comprei a caneca e a bandeja de docinhos do post anterior.
   Saindo de lá indico uma caminhada pelas ruas Montmartre, Tiquetonne e Montorgueil



domingo, 14 de dezembro de 2014

Aula de Baguettes e Fougasse em Paris e mais algumas boulangeries

   Como já deu para perceber nos meus posts sobre viagem, na maioria das vezes dou dicas de lugares para comer coisas rápidas ou para comprar bons pães e doces. O motivo disso é o fato de não conseguir encontrar com facilidade bons croissants, baguettes e doces típicos no Brasil e viajar então é a oportunidade para enjoar deles!

Bastille, Place des Vosges e Croissant Blé Sucré
    Quinta-feira eu fui para a região da Bastille, o dia amanheceu sem chover e por isso achei que seria uma boa ideia ir até a Place des Vosges para tirar umas fotos. Também queria passar na Blé Sucré, uma boulangerie que fica na região e promete vender as melhores madeleines de Paris, segundo o David Lebovitz mais uma vez.


   Comprei um croissant e um pacote de Madeleines na Blé Sucré (7, R. Antoine Vollon, 12º arrondissement, metro Ledru-Rolin) e fui para a Place des Vosges comer. Sentei num banco e fiquei por lá tirando fotos. Abri meu pacote com o croissant e comecei a tirar camadas de massa para comer. Ventava muito e como ele estava super fresquinho e crocante, voou casquinhas por todo o meu casaco, cachecol, cabelo... 


    Já tinha ouvido falar que era um dos melhores croissants de Paris também e posso concordar! Extremamente leve, ele é cheio de alvéolos e camadas de massa crocante amanteigada. Arrisco até a dizer que foi o melhor croissant que já comi em Paris até agora nessas 4 vezes. Vale a visita e a caminhada até lá!


   Depois de comer, e ainda com migalhas na roupa, saí em direção a uma loja de objetos para casa, desde móveis, roupas de cama, mesa e banho até pratos, travessas e canecas chamada Maisons du Monde. Comprei enfeites para a árvore de Natal nesta loja, mas acabei voltando na loja do Fórum Les Halles para comprar outras coisas, como esta caneca decorada de macarons e a bandeja decorada de docinhos. Dá vontade de comprar tudo, principalmente porque as coisas são baratas e muito fofas! É bom também para encontrar aquele presente personalizado bem legal e diferente para algum amigo ou familiar e que não seja aquele chaveirinho de Torre Eiffel que todo mundo já tem.

Caneca e bandeja da Maisons du Monde e madeleines da St. Michel, que podem ser encontradas em qualquer supermercado de Paris

   Deixei as madeleines da Blé Sucré para comer quando chegasse da aula, acompanhadas por um chá, para aquecer. Eram de laranja, cobertas por um glacê de açúcar, com a massa bem fofinha e perfeitas para mergulhar no chá, como já bem fazia Marcel Proust! 

Madeleines açúcaradas da Blé Sucré

   Concordo, essas realmente podem estar entre as melhores madeleines de Paris, mesmo não tendo provado em muitos lugares diferentes. Pelo menos são muuuuito melhores do que as compradas prontas em qualquer supermercado (como as da foto de cima).

Brioche Feulletée

   Outro pão que comprei por esses dias foi uma Brioche Feuilletée, ou um brioche folhado. Imaginava que seria bom, mas não tanto quanto realmente é! Ele é de outra pâtisserie muito conhecida aqui em Paris, a Pâtisserie des Rêves (111, R. du Longchamp, 16º arrondissement, metro Rue de la Pompe), do chef pâtissier Philippe Conticini. É uma loja mais especializada em tortas e doces, mas que também vende algumas viennoiseries (folhados). A massa é super leve, igual a de um croissant só que um pouco mais densa e amarelinha por causa dos ovos. De tão leve, lembra até a textura de um algodão doce. Uma boa maneira de trocar o croissant e o brioche comuns e já deliciosos por algo ainda melhor!


   Aproveitei a viagem para fazer mais uma aula, desta vez de Baguettes e Fougasse na La Cuisine Paris. O curso durou 3 horas e pudemos aprender todos os passos de preparação das tradicionais baguttes francesase da fougasse, ou a versão francesa da focaccia italiana, que pode levar apenas ervas e azeitonas misturadas na massa ou serem inteiramente cobertas por recheio, como as que fizemos!


    E no final da aula saímos com sacolinhas cheias de pães fresquinhos! Deu até para chegar em casa de noite, reaquecer o pão, grelhar uma salsicha de Strasbourg e montar um Dogão Francês com direito a queijo derretido e mostarda de Dijon. 


   Fiz também um vinagrete com tomates, pepino, cebola e azeitonas picadinhos e temperados com azeite e vinagre balsâmicom para acompanhar. E dá para comprar vários tipos de embutidos tradicionais europeus em qualquer supermercado, feira ou em lojas especializadas (charcuterie) para colocar no seu lanche. 


   

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Salada de Tomate com Pão au Levain

   E os posts estão ficando atrasados, mas aos poucos vou colocando eles em ordem! Para hoje uma caminhada pelo bairro de Saint-German-des-Près e algumas dicas de gordices!


    Comecei o a quarta-feira na Grande Épicerie de Paris, comprei um croissant com um iogurte para comer no parque em frente da loja e em seguida fiz uma caminhada pelas ruas de Sèvres e Babyllone, cheias de lojas marcas conhecidas e em especial para comprar os pães da Poilâne, uma tradicional padaria de Paris que vende produtos artesanais.

Pain aux Raisins (pão de centeio com passas) e Pain au Levain
   Queria mesmo era comprar um pain au levain, ou seja, de fermentação natural, para fazer uma salada bem incrementada que o David Lebovitz dá a receita em seu livro The Sweet Life in Paris. Por sinal ele indica usar exatamente este pão e dessa boulangerie. Lá na loja a maioria dos pães são grandes e para mim que estou sozinha não compensava comprar um. Perguntei do que eram os menores e um deles era exatamente o pain au levain, feito com farinha de centeio e fermentação natural.
   O Pain aux Raisins eu deixei para o café da manhã de quinta-feira. Tão bom quanto o de levain, este também era feito com farinha de centeio e apesar de levar as uvas passas na massa, não era doce, mas um pão que tanto pode ser acompanhado por uma geleia quanto por um queijo ou manteiga. 
   A Poilâne tem várioss endereços em Paris então vale a pena encontrar o mais próximo de você para aproveitar os pães deliciosos que eles vendem (2 euros os dois juntos).


   Em seguida, quando voltava para casa, passei numa lojinha de frutas próxima de onde estou hospedada para comprar os demais ingredientes da salada: tomate, pepino, azeitonas pretas, cebola roxa e alho.


   Para uma porção de salada você vai precisar de: 100 g de pain au levain cortado em cubos e tostado rapidamente no forno, 1 tomate cortado em pedaços grandes, meio pepino cortado em cubos grandes, 15 g de azeitonas pretas sem caroço picadas, cebola roxa picada, ervas frescas, 30 g de queijo feta em lascas e, para o molho, 1 dente de alho finamente picado, 10 ml de vinagre de vinho tinto, 20 ml de azeite extra-virgem e 1 colher de sopa de mostarda de Dijon que, pasmem, aqui custa 1 euro o pote com 380 g da Maille (em oposição ao pote de 12 reais de 125 g em São Paulo)


   Basta misturar todos os vegetais com o pão e o queijo num bowl e os ingredientes do molho em outro. Em seguida é só temperar os vegetais e montar no prato.


   No fim acabei adaptando um pouco a receita, já que acrescentei também algumas folhas variadas picadas, troquei o queijo feta pelo Morbier e ainda temperei com vinagre balsâmico e azeite extra-virgem ao invés de fazer o molho. E como ficou boa esta salada! Uma boa opção para compensar um pouco a comilança de croissants, baguettes e afins.


   Inclui no meu jantar uma sobremesa inglesa, tradicional nessa época de final de ano: o Christmas Pudding! Sempre tive vontade de comer de ver nos programas da Nigella, Jamie Oliver e do Gordon Ramsay então quando vi pudins individuais à venda no Marks & Spencer (rede de loja de despartamentos inglesa) da Champs-Élysées, já comprei logo um. O pudim vem dentro de uma embalagem de plástico e é necessário reaquecê-lo no banho-maria ou no microondas antes de comer. Optei pela maneira mais fácil, o microondas, e em 40 segundos ele ficou pronto! Gostei bastante, tem um forte sabor de açúcar mascavo, melado de cana, rum e é cheio de frutas uvas-passas, cascas de laranjas cristalizadas, castanhas... Ótimo para quem gosta de frutas secas, com certeza vou comprar mais para comer no Brasil!


    Ainda tem outros produtos natalinos no M&S, como bolos decorados, mince pies (minha próxima aquisição), bolachihas, balas, chocolates, confeitos e também os produtos comuns, como pães, scones, welsh cakes, shortbreads, chás, sanduíches prontos e esta granola com frutas secas e laranja.

   Comprei porque meu café damanhã diário no Brasil é granola com frutas e iogurte e quis repetir isto aqui em Paris com produtos diferentes, como o iogurte de baunilha da La Fermière que já falei em posts anteriores e framboesas. Além de gostoso, muito saudável!



   


quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Croziflette

   Ontem cheguei meio sem ânimo para postar, mas aqui já estão as fotos e a receita atrasada! Meu dia começou com um café da manhã très parisien, um croissant com Nutella e iogurte de baunilha. 


   Acabei comprando também uma mini viennoiserie, ou seja, um pain au chocolat em tamanho mini, que as padarias daqui costumam vender para cafés da manhã em grupos, hotéis ou para pessoas que querem provar dos quatro: o croissant, o pain au chocolat, o chausson aux pommes e o pain aux raisins!


   Depois do desjejum, parti em direção ao Ópera, pois precisava comprar uma bolsa nova (já que a minha enorme bolsa de tranqueiras acabou com o meu punho, nem aguentava mexer a mão). Por sorte o dia estava bem claro e com um solzinho, então as fotos saíram boas!


   Passei pelas Galerias Lafayette e conheci a nova Lafayette Maison, uma das únicas partes da rede onde é possível comprar alguma coisa. E a reforma a deixou a ainda mais bonita! A loja agora passa a ser inteirinha dedicada ao ramo da gastronomia, mas não se preocupe, estarei de volta com outro post, mais fotos e  detalhes!


   Quis aproveitar o dia de sol, pois nunca se sabe quando ele vai aparecer de novo nesse inverno europeu, para voltar à Torre Eiffel e fazer umas belas fotos dela, mas vista do Trocadero.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Ovos Mexidos com Bacon, Alho Poró e Morbier

   Hoje foi aquele dia que da viagem que a gente ainda acorda ainda meio cansado e com preguiça, mesmo tendo ido dormir as 9h30 na noite passada. Acordei com tanta preguiça que nem saí para comprar algum pão para o café da manhã, preferi comer o que tinha sobrado da baguette de ontem e do Camembert


   A sorte é que pelo menos tinha algo gostoso para beber: um iogurte de baunilha com sirop d'érable (maple syrop, 2,76 euros 500 ml) da Michel & Augustin, para min uma das melhores marcas de laticínios da França. Os produtos, além de gostosos, são feitos com ingredientes certificados e tem realmente o gosto do sabor indicado, como no caso desse iogurte de baunilha que vem com as sementinhas da fava e o gosto natural dela. São também pouco calóricos quando comparados com produtos semelhantes brasileiros. Então fica uma dica que vale a pena procurar quando você vier para a França.


   Depois do café da manhã, fui para a Rue de Rivoli ver as lojas da Forever 21 e outras da região, só que acabei dando uma passada no Louvre para tirar umas fotos. Estava chovendo bastante, mas até que as fotos não ficaram tão ruins e deu para andar bastante.


   E enquanto atravessava as transversais da Rivoli, achei uma ruazinha bem simpática, cheia de pequenos restaurantes, padarias, lojas de queijos, embutidos, comidas prontas, assim como essa da foto, bem típicas francesas. Parei para uma foto, mas logo voltei para continuar minha caminhada.


domingo, 7 de dezembro de 2014

Solotrip Paris/Amsterdã

   Depois de um final de semestre super agitado e cheio de coisas importantes para fazer, finalmente consegui chegar bem em Paris, só meio cansada e com sono! Aí você deve estar se perguntando: mas Ana, não foi você que já foi para Paris no início desse ano? Sim, já fui, mas dessa vez não vim para turismo, mas sim para estudar francês.


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Bolo Bundt Olho de Sogra

    Sexta-feira sem um bolinho caseiro bem fofinho após o jantar não tem graça! E para esta a minha dica é um bolo bundt (ou bolo de vó) com ameixas secas, coco e cobertura de leite condensado: um verdadeiro e completo Bolo Olho de Sogra!


   A receita dele veio da minha cabeça, apenas combinei os ingredientes básicos de um bolo e ajustei suas medidas para que ficasse bem grande, do tamanho da minha forma de bolo bundt decorada. Depois de assada, a massa ficou bem fofinha e úmida, além de ter realmente crescido bastante.


   Este bolo leva tanto as ameixas secas picadinhas quanto o leite de coco e o coco ralado, os dois principais intens do docinho Olho de Sogra. E para deixar ainda mais completo, cobri o bolo desenformado com uma calda de leite condensado com coco fervidos, como um beijinho bem molinho.


    Fiquei pensando aqui que esta até que é uma boa ideia para esta época de fim de ano, para aproveitar as frutas secas tradicionais e servir para um café da manhã ou da tarde ou até mesmo para presentear alguém. Aposto que todo mundo ia adorar!


   Não gosta de ameixas secas? Pode usar outra fruta seca e criar um bolo personalizado. Ou que tal usar damasco? Assim você terá um Bolo Olho de Sogro!

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Bolo Salgado com Cerveja

   Durante essa minha onda de fazer pães caseiros, decidi fazer um Bolo Salgado para o jantar de um sábado, mas ao invés de usar fermento em pó, fiz uma massa com fermento biológico, que ainda levou cerveja e muitos outros ingredientes.


   Peguei uma receita de Pound Cake feito com cerveja e substitui o fermento, assim como outros ingredientes e alguns passos do modo de preparo e o resultado foi de um pão bem leve e aerado, mas com cara de bolo. Os recheios que acrescentei foram: carne seca desfiada puxada no azeite com cebola, presunto picadinho e queijo Minas.


   Só não sei o que aconteceu, mas a minha massa cresceu tanto, mas tanto e tanto que do nada começou a vazar da forma e, detalhe, antes mesmo de ir ao forno! Penso que tenha sido por causa da quantidade de fermento somado com a cerveja.


   Para acompanhar as fatias de bolo/pão, fiz uma salada de folhas e uma maionese caseira com azeitonas. Apesar de ter ficado com pouco recheio após o cozimento, caiu super bem passar um pouquinho desta maionese de leite com azeitonas pretas e verdes na fatia quentinha.


   Receita para fazer no final de semana!

domingo, 30 de novembro de 2014

Nhoques de Batata na Manteiga e Frango à Jurassienne

 Nhoques de batata caseiros passados na manteiga com tomilho e um franguinho recheado com presunto e queijo ao molho rosé para acompanhar, tem algo mais reconfortante do que isso para uma refeição de final de semana?


   Acho que hoje em dia é praticamente impossível encontrar alguém que ainda faça com frequência nhoques em casa ao invés de comprar aquelas preparações prontas que de batata não tem nada. Pois eu ainda "perco" meu tempo na cozinha amassando as batatas cozidas, preparando a massa e inclusive abrindo rolinho por rolinho, cortando cada nhoque com a faca e, se possível, modelando cada um com as costas do garfo. Um trabalho que no final vale a cada garfada, macia, untuosa e que me faz lebrar de comida caseira, de família, preparada pela mãe ou pela avó...


   Esta receita de frango na verdade eu conheci no início deste ano num pequeno restaurante em Paris. O prato do dia em que fui lá era um tal de Poulet à Jurassienne, que na verdade, ao chegar na mesa, percebi que não passava de um peito de frango recheado com presunto e queijo e coberto por um molho rosé com creme de leite e cogumelos. Bem saboroso e diferente das receitas que estamos acostumados a comer todos os dias.


   Lá eles serviram o frango acompanhado por macarrão passado na manteiga, mas eu preferi acompanhá-lo pelos nhoques de batata. Na verdade esta receita que eu fiz é uma adaptação de uma que veio no livro da Rachel Khoo, La Petite Cuisine à Paris (A Pequena Cozinha em Paris, já lançado em português). Desde quando comprei ele, lá em Paris ainda, percebi que tinha uma receita de frango bem parecida com a do restaurante e por sinal não encontrei nenhum Frango à Jurassienne na internet.
   

   A única mudança foi que o frango da Rachel não era recheado e também preferi substituir os cogumelos (que ninguém gosta aqui em casa) por cabola picadinha. Só achei que meu molho, que leva vinho, ficou muito espesso.